Como criar personagens inesquecíveis

Saber como criar personagens inesquecíveis é essencial para o seu livro fazer sucesso. 

Se você tem alguma dúvida de como a construção dos personagens são importantes para uma história, basta você pensar nos livros que você mais gosta.

Por exemplo, eu adoro Jogos Vorazes e A Seleção. Ambos tem personagens femininas marcantes e que fogem do padrão “princesa da Disney”. 

Ou seja, não ficam focadas em encontrar o amor da sua vida e tem ideais que a movem durante todo o enredo.  A paixão é apenas um acessório e não a vida toda da personagem.

Você pode pensar em qualquer outro best seller e vai perceber que os personagens são extremamente importantes para o sucesso do livro. 

O maior erro de quem está escrevendo na internet é não dedicar um tempo importante para a construção dos seus personagens, se isso for levado a sério, provavelmente, o resultado das visualizações ou das suas vendas online seriam totalmente diferentes. 

Sei que o enredo, a capa e a sinopse são extremamente importantes para o livro e vou falar deles em outro momento aqui no blog. 

Mas agora quero te ajudar a criar um personagem inesquecível.  Não estou falando de ficha de personagens ou mapas mentais, mas sim como você vai fazer isso durante a trajetória da sua história. 

Então… Sem mais delongas… Vamos ao que interessa: como criar personagens inesquecíveis. 

1) Apresente-o mais cedo possível, por nome

Apresente-o mais cedo possível, por nome

O maior erro dos escritores é deixar para a apresentar o personagem principal tarde demais. Não importa qual seja a estrutura do seu enredo, como regra geral, o personagem principal deve ser a primeira pessoa a aparecer para o leitor. 

O leitor precisa associar o nome a toda a história que será projetada para ele nos próximos capítulos. 

Você não vai começar dizendo “oi meu nome é fulano” nem “fulano é um cara legal, possui 30 anos e mora com os pais”. 

Mas vai apresentar o personagem principal de maneira indireta: contando a história dele, com um sonho, um diálogo impactante…

O importante é você ter claro qual será a primeira cena do seu livro e que nela o leitor tem que conseguir identificar quem é o personagem principal. 

Nesse momento você também pode adicionar características que sejam importantes para o seu enredo. 

Por exemplo, se você vai tratar sobre etnias é interessante ressaltar isso logo nas primeiras páginas do livro. Assim você consegue criar uma conexão entre o personagem e o leitor.

Mas como posso dar nome aos personagens?

Esse é um dos principais desafios do escritor. Eu, geralmente, tento colocar o nome que mais parece com aquele personagem. 

Por exemplo, pra mim, Joana é um nome de mulher forte, batalhadora e que luta pela igualdade de gêneros (ou racial). Não colocaria esse nome para uma personagem que mora no bairro mais rico da cidade e que possui seis empregados. 

Mas isso é o que eu faço. Não existe uma regra para você colocar nome nos seus personagens, só precisa fazer sentido para você. 

Muitos escritores perdem muito tempo pensando no nome ideal, mas isso é um detalhe que não precisa de muita dedicação. 

O que vai transformar o seu personagem em inesquecível não é o nome dele, mas sim o que ele é e qual história ele vai contar. 

Mas se mesmo assim você quer dedicar um tempo procurando o nome ideal para o seu personagem faça uma pesquisa online, verifica os nomes históricos, a tendência geográfica…

2) Deixe o leitor dá uma olhada nele

Deixe o leitor dá uma olhada nele

Quem já leu um livro em que imagina o personagem de um jeito e no meio do livro o autor fala que o personagem tinha cabelo preto, mas você tinha imaginado ele loiro?

Eu, como leitora, acho isso horrível. E depois nem consigo imaginar como o escritor escreveu, porque já tenho a característica do personagem montada na minha mente.

Por isso, fale das características físicas dos seus personagens o mais breve possível. 

Você não precisa fazer um parágrafo inteiro com as descrições, você pode fazer isso através de um diálogo ou durante uma ação. 

Além disso, você pode apresentar também informações como: 

  • Quantos anos tem ele?
  • Qual é a nacionalidade dele?
  • Ele tem cicatrizes? Piercings? Tatuagens? Imperfeições físicas? Deformidades?
  • Como é a voz dele?
  • Ele tem sotaque?

3) Dê ao personagem uma história de fundo

Dê ao personagem uma história de fundo

Uma história de fundo é tudo o que aconteceu antes do primeiro capítulo. Ou seja, você precisa se perguntar: o que transformou seu personagem na pessoa que ele é hoje?

Não é só adicionar um prólogo. É você contextualizar o leitor sobre o que ele pode esperar do personagem principal. 

Por exemplo, se o seu personagem principal é um rei. Você pode contar como foi para ele chegar até o trono, para só depois iniciar a história. 

4) Lembre-se que ele é humano, vulnerável e com falhas

Lembre-se que ele é humano, vulnerável e com falhas

Outro erro comum é fazer aqueles personagens perfeitos, que nunca erram e quem são 100% éticos. 

Isso torna o seu personagem chato e sua história tediosa. Mesmo se ele for um super-herói dá para você acrescentar uma fraqueza. Por exemplo, o Super-homem tem a kriptonita e o Indiana Jones as cobras. 

Um personagem sem qualidade humanas é prejudicial a todo o enredo no livro. Sei que tem algumas pessoas que falam para não exagerar nos defeitos, mas eu não vejo problema nenhum com isso. 

Você é livre para adicionar qualquer vulnerabilidade ou falha no seu personagem. Só tem que saber desenvolver isso na história. 

5) Dê qualidades clássicas e potencialmente heroicas

Dê qualidades clássicas e potencialmente heroicas

Da mesma forma, você precisa adicionar qualidades clássicas e potencialmente heroicas nos seus personagens. 

Mesmo que seja a história de um vilão, ele pode ter uma grande vitória moral no final do livro. 

Ou, se for outro personagem, pode ter que enfrentar uma cobra mesmo que ele tenha fobia delas. 

A grande sacada aqui é que um personagem inesquecível deve ser extraordinário, mas relacionável. Isso quer dizer que, ao mesmo tempo, que não há problema em permitir que ele enfrente obstáculos e desafios você precisa dar ao seu personagem qualidades que cativam e incentivem o leitor a continuar a leitura.

6) Enfatize a vida interior e problemas superficiais

Enfatize a vida interior e problemas superficiais

O leitor gosta de saber o que o personagem está pensando. Essa é a magia dos livros! Você pode saber a intenção dos personagens, antes mesmo deles executarem. 

Para criar um personagem inesquecível é importante relatar os momentos de reflexão anterior e até mesmo retratar problemas superficiais como, por exemplo, a preocupação com a unha quebrada, a preguiça de se levantar e fechar as cortinas…

Esse diálogo interno contribui para a construção do personagem e tira ele da superficialidade para se tornar alguém real.

Se você não sabe quando e o que abordar, pergunte:

  • O que o mantém acordado à noite?
  • O que mais irrita ele em uma situação específica?
  • Quais são os segredos dele?
  • O que o deixa sem graça?
  • Que paixão deixe ele fora de si?

Isso ajuda também quando o personagem precisar enfrentar uma situação de escolhas, a pessoa interna vai te responder como ele deve agir. 

7) Seja o personagem

Seja o personagem

A melhor diversão de ser escritor é poder ser todos os personagens de uma história de uma única vez. Você pode ser a vilã, o mocinho, o velho, a garota nova…

Então não perca a oportunidade de ser todos eles. A melhor forma de desenvolver um personagem é você ser ele. 

Ou seja, imagine-se em todas as situações que ele passar, pense como ele enfrenta todos os dilemas, responde as perguntas como se você fosse ele.

Talvez você nunca tenha passado pela situação que o personagem está enfrentando, mas você pode trazer pra si na sua mente. Pense como seria se você tivesse que enfrentar aquela situação e depois veja se o seu personagem agiria da mesma forma. 

8) Mostre, não conte

Se existe uma regra principal na ficção seria essa: mostre ao invés de contar. 

É diferente quando você fala qual é qualidade do seu personagem e quando você mostra para o leitor. Quando você mostra, o próprio leitor faz essa dedução durante as cenas, sem você precisar contar. 

Dessa forma você consegue desenrolar o personagem a medida que mostra o que acontece na vida dele, através da linguagem corporal dele, de seus pensamentos e do que ele faz.

Por exemplo, contar é:

“Marcos era extremamente sedutor com Clarice”. 

Já mostrar é:

“Marcos conversava com Clarice com olhos semicerrados e sorriso de lado. Passava a língua pela boca várias vezes e até mordia o lábio inferior de vez em quando”. 

Sacou a diferença? 

9) Realize uma pesquisa completa

Realize uma pesquisa completa

Acredito que essa é a dica mais comum de todas. Fazer uma pesquisa já está no nosso subconsciente de escritor. 

Gostamos de fazer aquelas fichas de personagens enormes e anotar tudo o que for possível para ajudar no enredo. 

É importante, principalmente, fazer isso quando o seu personagem for de uma cultura diferente da sua ou viver em outra época. 

Não adicione informações de um país ou de uma cultura sem antes ter pesquisado. Mesmo sem saber, o leitor acaba tornando tudo o que ele ler no seu livro uma verdade. 

É, por isso, que muitas vezes choramos, damos gargalhadas e ficamos bravos com alguns livros. 

Da mesma forma, também é importante pesquisar sobre um sentimento em determinada situação. Uma vez, por exemplo, tive que escrever sobre uma personagem que tinha escolhido abortar. Eu sou contra o aborto e não fazia sentido para mim ela escolher aquilo. Então, para ser fiel a história e ao personagem, eu e tive que pesquisar na internet e até conversar com pessoas pró-aborto para desenvolver uma cena. 

Por isso, nada de preguiça. Se for preciso pesquisar para desenvolver uma única cena, pesquise!

10) Escute o seu personagem

Escute o seu personagem

Um personagem inesquecível precisa ser real para você, se não o leitor também não vai acreditar na história. 

Por isso, aprenda escutar os seus personagens durante toda a trama. O que ele quer em cada situação, por que ele está agindo daquela maneira, qual a intenção por trás daquela fala…

Isso é extremamente importante, principalmente, quando ele precisa tomar uma decisão. Não é você que tem que decidir entre A e B, mas sim o seu personagem. 

Em um dos meus livros que está no Wattpad tive que tomar uma decisão muito difícil, a personagem Sofia poderia ou não beijar o cara que ela e a melhor amiga gostava. Eu, Karol, nunca beijaria, mas a Sofia sim. E ela beijou. 

É uma atitude extremamente errada para mim, mas a Sofia é impulsiva, estava indo embora da cidade e queria fazer aquilo. Eu não estaria sendo justa com ela, se mudasse de repente os seus desejos pelo Nicolas.

11) Dê pelo menos uma característica definidora

Um personagem inesquecível tem pelo menos uma característica que o destaca no meio da multidão. Não necessariamente é uma cor de cabelo extravagante ou um andar peculiar. 

Pode ser a maneira como fala, o jeito como fica bravo, o tom da voz e até mesmo uma mania. 

Um exemplo disso é o Gus de “A Culpa é das Estrelas”. Sem falar o nome dele tenho certeza que, se você já leu o livro, iria identificá-lo apenas se eu citar que é um cara que anda com uma carteira de cigarros, mas não fuma. 

“Você coloca uma coisa que pode te matar bem entre os seus dentes, mas nunca dá a essa coisa o poder de te matar.”

12) Verifique se eles falam de maneira distinta

Verifique se eles falam de maneira distinta

Os personagens de um livro não falam da mesma maneira. Isso tanto é verdade que nos best seller você sabe quando é um personagem e quando é outro sem o autor ficar citando o tempo todo quem está falando. 

Por isso, pense também na maneira como o seu personagem fala e passe isso para o livro. 

Alguns deles podem falar apenas em frases curtas, outros em declarações longas e devaneios. Ou você pode ter um personagem que sempre segue uma frase longa com três curtas. 

Alguns personagens podem ter um sotaque, falar errado, usar gíria… Há uma infinidade de características que podem enriquecer o seu personagem. Explore-as!

13) Introduza-os duas vezes: a primeira vez em segundo plano, a segunda em primeiro plano

Introduza-os duas vezes: a primeira vez em segundo plano, a segunda em primeiro plano

Essa uma dica muito bom para quando você for apresentar personagens novos durante a história. 

Ao invés de sair mostrando todas as características dele logo de primeira, na primeira vez que ele aparecer você cita uma coisa ou outra e aí só na segunda vez você fala mais sobre ele. 

Por exemplo, imagine que você não falou nada sobre o personagem Bernardo, a primeira aparição dele pode ser assim: 

“Raquel estava conversando com um garoto de cabelos longos que Felipe acreditava ser o Bernardo”.

Já a segunda:

“Bernardo não era só um cara de cabelo bonito, o que irritava Felipe era o jeito como ele passava a mão no cabelo e fazia as garotas se perderem nos seus olhos verdes”. 

14) Dê a eles a ilusão de um arco

Dê a eles a ilusão de um arco

Criar um arco para o seu personagem é você estabelecer como ele se sente diante de uma situação e, centenas de páginas depois, mostrar como ele sente de uma maneira diferente agora. 

Na página 10, por exemplo, o seu personagem pode odiar crianças. Mas no decorrer das outras páginas vão acontecendo situações que ao chegar na página 40 ele já está pensando em ter filhos. 

Consegue visualizar o arco? É isso que você tem que fazer com todas as tramas dentro do seu livro. 

Não é um círculo, porque o personagem não volta a odiar crianças. Ele passa por todo um processo até chegar a um ponto final. 

Isso é importante, principalmente, para mostrar a mudança de atitude de um personagem. Ele não pode mudar do dia para noite, há várias situações e pensamentos que faz uma pessoa mudar. 

15) Dê ao seu personagem duas necessidades mutuamente exclusivas

Dê ao seu personagem duas necessidades mutuamente exclusivas

Um personagem inesquecível precisa de duas coisas que são mutuamente incompatíveis. E ele precisa delas desesperadamente. 

O personagem não pode e não quer desistir de nenhuma delas, então ele passa uma boa parte tentando ter as duas. Isso funciona com qualquer coisa: amor, sobrevivência, justiça… 

Um vampiro, por exemplo, pode querer morder uma pessoa e ainda sim querer também que aquela pessoa o ame. 

O Nicolas da minha história é outro exemplo. Ao mesmo tempo que ele quer a Sofia ele também quer a Beatriz, ele não quer escolher ficar uma das duas, ele quer as duas. 

16) Force seu personagem a escolher

Force seu personagem a escolher

Com a situação anterior bem definida, o clímax da sua história é o personagem perceber que ele tem que fazer uma escolha. 

E mais do que isso: ele tem que fazer essa escolha difícil. 

Um rei, por exemplo, pode ter que escolher entre deixar o trono ou entregar a sua filha. Uma fada pode ter que escolher entre deixar as suas asas ou abortar o filho de um humano.

Independente de qual seja a escolha difícil, não esqueça de escutar o personagem e deixar ele decidir. Os nossos valores e crenças não pode interferir nisso. 

Conclusão

No artigo de hoje te mostrei como criar personagens inesquecíveis. Te mostrei 16 dicas para você colocar em prática no seu próximo livro ou até mesmo no livro que você está escrevendo nesse momento. 

Você viu o quão importante é mostrar o seu personagem ao invés de contar sobre ele, como você pode introduzi-lo durante a história e que a criação de um personagem vai além do preenchimento de uma ficha técnica. 

Agora quero saber de você…

Se algumas dessas dicas foi importante para você. Me conta nos comentários! Vou adorar bater um papo com você!

Sua vez,comenta aí

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s